rb bertomeu, S.L.

 Pol. Ind. Fondo de Llitera, Par. 82-83

E-22520 Fraga, Huesca (España) 

Tel. +34 974 47 48 04

+34 630 43 08 43
www.bertomeu.es

bertomeu@bertomeu.es

 

 

 

BOLETIM TÉCNICO

nº 8   

AS INCÓMODAS CARBONIZAÇÕES NOS QUEIMADORES
DE FUELÓLEO PODEM REDUZIR-SE

Para conseguir uma boa combustão do fuelóleo em qualquer tipo de queimador, é necessário aquecê-lo até alcançar uma viscosidade entre 15 e 22 cSt (2,5 – 3,0 ºE) que permita um grau de pulverização aceitável. A temperatura de aquecimento pode variar entre 80 ºC e 120 ºC aproximadamente, dependendo do tipo de fuelóleo e queimador. A estas temperaturas tem lugar um processo de fraccionamento do fuelóleo, com precipitação de carvão negro e duro conhecido como coque, que tende a depositar-se nos bicos dos queimadores instalados nas câmaras de combustão de Caldeiras, Fornos de Secagem, Secadores rotativos, etc. Os pequenos gotejamentos dos bicos, submetidos ao calor de reverberação das câmaras de combustão (especialmente as de tijolo refractário), também provocam o mesmo efeito por evaporação da parte mais volátil do fuel e carbonização dos componentes menos voláteis (asfaltenos e outros).

Estes processos resultam no que se denomina “carbonização” do queimador, que se caracteriza pela obstrução progressiva do bico de pulverização (independentemente do tipo de queimador instalado), o que provoca os seguintes efeitos:

  • Aumento da produção de fuligens e da opacidade dos gases emitidos
  • Incremento do gotejamento de combustível na fornalha
  • Desvio da chama, com incidência directa sobre as paredes refractárias da fornalha
  • Redução do caudal de combustível fornecido ao queimador
  • Aumento da dificuldade na regulação combustível – ar – temperatura dos gases

Como é lógico, as consequências finais são a redução do rendimento energético do sistema, o aumento da poluição, a diminuição do tempo de vida do refractário da fornalha e o aumento de paragens para limpar o queimador. 

Estas consequências podem minimizar-se mediante o tratamento do fuelóleo, no tanque de armazenamento, com o aditivo “rb bertomeu” beco F2/A , tal como se demonstrou em muitas instalações queimando Fuelóleo Nº 1 e Fuelóleo Nº2 (Caldeiras de vapor, Secadores rotativos, Secadores de leito fluidizado, etc.).

Para obter informação sobre referencias industriaes do tema ver os seguintes documentos de rb bertomeu (clique sobre o título seleccionado):

 

 

 

 

 

 

 

 

Pulse aqui para ver os boletins anteriores
Fabricante de aditivos para óleo combustível e óleo cru
(c) rb bertomeu, S.L. - Copyright